Primeira Guerra Mundial: Causas, Trajetória e Consequências

Primeira Guerra Mundial: Causas, Trajetória e Consequências
Primeira Guerra Mundial: Causas, Trajetória e Consequências

É claro que todo mundo já ouviu falar sobre a Primeira Guerra Mundial, mas você sabe dizer exatamente o porquê desta guerra ter começado e quais fatores contribuíram para que ela tivesse início?

Primeiro, antes de falar sobre essa guerra, precisamos entender que no mundo sempre existiram conflitos. 

Desde o início da humanidade, as guerras são uma forma de demonstrar poder, interesse econômico, prestígio, dentre outros fatores. Dessa forma, apesar de ser conhecida como a “Primeira Grande Guerra”, esta não foi a primeira ao longo da história. 

Se você quer saber mais sobre como esta guerra começou, vemos explicar tudo para você, acompanhe!

Acontecimentos que antecederam a Primeira Guerra Mundial

Conforme dissemos anteriormente, sempre ocorreram guerras na humanidade, mas quais motivos levaram a Primeira Guerra Mundial? É simples! Durante o século XIX ocorreram diversas tensões europeias, todas fundadas no princípio de expansão territorial, poder, competição, busca pelos melhores mercados, e é claro, a expansão industria, o que nos leva a pensar sobre alguns acontecimentos importantes que antecederam o conflito. 

Revolução industrial e a Paz Armada

A revolução industrial foi uma época de salto no desenvolvimento tecnológico, o qual ocorreu durante o século XVIII, na Inglaterra mais especificamente, e causou grandes impactos na forma das pessoas trabalharem, cujo resultado foi a consolidação do capitalismo como forma de economia. 

Revolução industrial e a Paz Armada
Revolução industrial. Fonte/Reprodução: original.

A revolução industrial é atribuída à Inglaterra devido ao surgimento da primeira máquina a vapor, em 1698, e esta revolução é marcada principalmente no mercado têxtil, onde surgiu as primeiras máquinas de tecelagem. 

Isso, de uma forma, era algo bom, pois agilizava mais os processos do mercado de roupas, mas também era ruim por fazer as pessoas perderem seus antigos postos, já que eram substituídas pelas máquinas.

Contudo, a Revolução Industrial também causou enormes impactos na sociedade como um todo, pois as pessoas recebiam salários muito baixos, não tinham nenhuma qualidade de vida e havia muita exploração, o que fez os trabalhadores se unirem em sindicatos para lutar pelos direitos mínimos. 

A revolução industrial influenciou na Primeira Guerra Mundial porque os países estavam em constante competição para ver quem conseguia obter mais poder, e sabemos que o poder, naquela época, simbolizava ter muitas armas, o que nos leva à “paz armada”. 

A paz armada é chamada assim porque, nesta corrida tecnológica, todos os países começaram a investir pesado em material Bélico, e formavam alianças “de paz” por temerem ataques de outros países. 

Este período é chamado de “paz armada” justamente porque os países estavam fortemente armados, mas faziam acordos e alianças militares para não haver guerras. 

Alianças Militares

As alianças militares foram uma parte importante que antecedeu a Primeira Guerra Mundial, pois durante a chamada “corrida armamentista”, diversos países da Europa passaram a produzir e investir pesado em armas. Contudo, fizeram alianças militares para “evitar” possíveis conflitos. 

A alianças formadas nessa época foram:

Tríplice Aliança

A Tríplice Aliança, feita entre a Alemanha, o Império Austro-Húngaro (que era a união das monarquias da Áustria e da Hungria) e a Itália, servia com uma espécie de “acordo de paz”, para que estes países não entrassem em guerra. 

Tríplice Entente 

O Tríplice Entente foi uma aliança militar feita por Rússia, França e Inglaterra, o que fez com que estes países aumentassem bastante o seu poder bélico. 

O Nacionalismo e motivos da Primeira Guerra Mundial

Outros fatores contribuíram para o desenrolar da Primeira Guerra Mundial, onde um dos principais foi o nacionalismo, quando um país tem interesse apenas em sua nação, em seus valores e deseja a soberania. Porém, não somente o nacionalismo levou ao conflito, houveram outras razões, como:

Pan-Eslavismo

O Pan-Eslavismo foi um movimento político e sócio-cultural cujo objetivo era de unificar todos os eslavos em apenas um local, ou seja, em apenas um estado. Nisto, a Rússia era a responsável por aderir a este movimento. 

Conforme sabemos, existem diversos países eslavos como a Ucrânia e a Bulgária, e o pan-eslavismo basicamente “pregava” que todos estes povos deveriam ser unificados, a fim de formar apenas um povo, com o objetivo de ter um “Estado” mais forte e unificado, como uma estratégia de guerra.

Pangermanismo

O Pangermanismo é similar a ideia do pan-eslavismo, porém, a diferença é que era um movimento político nacionalista voltado para a Alemanha. A ideia era basicamente a mesma, a de unir todos os povos germânicos (bávaros, francos, frísios) em apenas um estado, também como uma estratégia de guerra e de obtenção de poder. 

Revanchismo francês 

O revanchismo francês era um conceito que definia como a França se sentia em meio a isso tudo. Basicamente, França e Alemanha sempre tiveram conflitos que eram resolvidos ora de maneira pacífica, ora de maneira violenta, e o “revanchismo” francês foi a forma como a França passou a se comportar devido às ações de unificação da Alemanha. 

A Alemanha realizou diversas alianças com outros países, e construiu um grande império de armas, o que gerou na França a ideia de que seria possível que a Alemanha estivesse se preparando para uma guerra. Por isso, os franceses deveriam estar preparados. 

Diversos cartazes eram espalhados pela cidade com os dizeres “La Revanche”, os quais alimentavam na nação o desejo de vingar todas às vezes em que a Alemanha derrotou a França. 

É importante lembrar que as guerras entre a França e a Alemanha eram relacionadas ao domínio territorial na região central da Europa. 

O estopim da Primeira Guerra Mundial: o assassinato do Arquiduque Francisco Ferdinando

O que muitos historiadores pontuam como o marco histórico para o início da Primeira Guerra Mundial é a morte do Arquiduque Francisco Ferdinando. 

Primeiro, precisamos entender quem foi este arquiduque. Basicamente, Francisco Ferdinando era o arquiduque do império Áustro-Húngaro, assassinado por um ativista radical da república da Sérvia. 

O estopim da Primeira Guerra Mundial: o assassinato do Arquiduque Francisco Ferdinando
Primeira guerra mundial. Fonte/Reprodução: original.

Por causa disso, o império Áustro-Húngaro exigiu que a Sérvia tomasse as devidas providências e entregasse o culpado pelo assassinato à justiça. 

O que acontece é que a Sérvia não se importou com isto e não cumpriu com o combinado no prazo estipulado. Isso fez com que o Império Áustro-Hungaro declarasse guerra à Sérvia, que por conta da sua aliança com a Rússia, também entrou nessa guerra. 

O Império Austro-Hungaro por sua vez, tinha formado uma aliança com a Alemanha, a qual declarou guerra à Rússia. 

A Inglaterra e a França, aliadas da Rússia, declararam guerra à Alemanha e tudo isso se configurou como a Primeira Guerra Mundial. 

Fases da Primeira Guerra Mundial

Durante a Primeira Guerra Mundial, houveram algumas fases caracterizadas pela forma como os militares se comportavam na batalha, que foram a “Guerra de Movimento” e a “Guerra de Trincheiras”:

Guerra de Movimento

A chamada “guerra de movimento” configura a primeira parte da Primeira Guerra Mundial, marcada por ataques agressivos da Alemanha contra a França. Essa guerra ocorreu entre agosto até novembro de 1914.

Guerra de Trincheiras

A guerra das trincheiras foi um combate terrestre onde as tropas lutavam por detrás das trincheiras, que eram grandes escavações no chão as quais serviam como uma espécie de abrigo para os soldados e tinham proteções como arames farpados e alguns obstáculos. 

Fim da Primeira Guerra Mundial

A Primeira Guerra Mundial teve o seu fim em 1918, quando as tropas francesas, britânicas e norte americanas se mobilizaram a fim de fazer o ataque final, conhecido historicamente como “Ofensiva dos Cem Dias”, onde diversos ataques rápidos eram feitos para levar os países envolvidos à total rendição. 

Estes ataques conseguiram fazer com que a Áustria-Hungria, a Turquia e a Bulgária se rendessem, mas não a Alemanha. Por causa disto, dentro do país começaram a haver diversos tumultos, pois devido à guerra, as pessoas passavam fome e os próprios soldados alemães queriam realizar motins contra os seus líderes que não queriam se render. 

Tudo isto levou o Kaiser a renunciar o seu governo, e então, na data de 11 de novembro, em 1918, a Primeira Grande Guerra tinha o seu fim. 

Contudo, para evitar possíveis guerras no futuro, diversos tratados foram assinados. 

Tratado de Brest-Litovsk

Trata-se de um acordo assinado em 3 de março de 1918 pelo governo bolchevique da Rússia, a fim de retirar a Rússia da Primeira Guerra Mundial. 

No tratado a Rússia cedia o controle dos países bálticos para a Alemanha e anunciava a paz.

Tratado de Versalhes

Foi um tratado onde vários países assinaram e que culpabilizava a Alemanha pela guerra e a forçava a indenizar todos os países afetados. O tratado de Versalhes é reconhecido como um tratado de paz, mas também de “acerto de contas”, pois colocava a Alemanha como a principal responsável pela guerra. 

Consequências com o fim da Primeira Guerra Mundial

O fim da Primeira Guerra Mundial causou inúmeros impactos sociais e na economia. Muitas pessoas morreram, entretanto, devido aos termos do tratado de Versalhes, que culpabilizaram a Alemanha, o país ficou desolado, o que fez com que o nazismo surgisse como “uma esperança no fim do túnel”.

Tal fator serviu como causa da Segunda Guerra Mundial. Diversos impérios se acabaram, entre eles os impérios Alemão, Austro-Hungaro, Otomano e o Império Russo, além de haver uma nova divisão política na Europa.

GOSTOU?! COMPARTILHE AGORA!

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Wanderson Queiróz

Wanderson Queiróz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias populares

Leia também